Quero o quanto baste de vida


Quisera ter o tempo em minhas mãos

Pausa-lo nos momentos em que o contentamento 

Tomasse conta do meu ser

Quando o brilho nos olhos de quem amo, 

Se tornasse mais intenso ao acariciar-me a pele

Para que eu pudesse sorrir com todas as forças 

Que minha sinceridade permite.

Quisera ter o tempo em minhas mãos

Com a finalidade de amar...amar e amar sem os medos 

Que assombram a Humanidade

Quisera ter o tempo em minhas mãos

Para que pudesse acelerar nas coisas que me entediam, 

Nas horas que me desgastam nos momentos que me fadigam

Quisera ter o tempo em minhas mãos

Para então retroceder e vivenciar de novo e de novo 

Os momentos suaves ao lado dos que já se foram.

Pensando melhor, abro mão do anseio que circunda

Não preciso de qualquer ferramenta que controle o tempo

Quero apenas desfrutar da fagulha de vida que me foi graciosamente doada

Quero viver devagar e apressadamente

Valorizar o que tiver valor

Porque de fato sou senhora do meu tempo

Administradora de minhas ações

Se hora tento resgatar pessoas e situações

É por reconheçe-me  inapta em gerenciar meus tempos e estações

Quero o que o Altíssimo me propõe

Nem mais nem menos

Quero o que me cabe.

Quero o quanto baste de vida.

Noh Oliveira
Em estado reflexivo

4 comentários:

  1. Temos que dar tempo ao tempo. E temos que nos fazer a tempo!
    Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela interação querido (a)! O tempo é um curador por excelencia!

      Excluir